Home > NEWS & MEDIA > News and Events > 90 Segundos de Ciência Interview about InsSciDE

90 Segundos de Ciência Interview about InsSciDE

The InsSciDE project revolves around historical research, conducted in six thematic work packages, which nourishes the development of fundamental theory and effective strategies of European science diplomacy.

InsSciDE expert Paula Urze of the work package Science Diplomats recently shared these founding principles of the project on Portuguese radio programme 90 Segundos de Ciência, as well as illustrated how her own research contributes to the wider goals of InsSciDE.

Below is the resulting article published by 90 Segundos de Ciência (right click in Chrome to translate).

Click here to listen to the short interview on their website (in Portuguese).

QUAL A ESTRATÉGIA EUROPEIA PARA A DIPLOMACIA CIENTÍFICA?

Este estudo está a estudar a ação dos países europeus perante encontros e episódios internacionais de partilha de conhecimento científico com o objetivo de desenhar uma estratégia consolidada para a diplomacia científica.

Paula Urze, investigadora no Centro Interuniversitário de História das Ciências e da Tecnologia (CIUHCT) e docente na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT NOVA), está a desenvolver o projeto InsSciDE, um projeto europeu que tem como objetivo avaliar a estratégia da União Europeia (UE) de cooperação com outros países através de dois estudos de caso, os encontros europeus de Ciência, e o desastre de Fukushima.

Em 11 de Março de 2011 ocorreu o acidente nuclear de Fukushima Daiichi, uma central nuclear na região japonesa de Fukushima, provocado pelo impacto de um tsunami.

“No caso de Fukushima tivemos a oportunidade de entrevistar o Embaixador José Freitas Ferraz, diretor do Instituto Diplomático e, na altura do desastre, Embaixador Português no Japão. Esta entrevista permitiu perceber já muitos dos contornos daquilo que nós podemos colocar como hipótese da não existência, de acordo com esses testemunhos, por exemplo, de uma estratégia consertada dos países europeus na altura”, revela.

Perante o desastre nuclear de Fukushima, cada país agiu de forma individual, sem procurar definir um caminho de colaboração que englobasse todos os restantes membros da UE e que permitisse desenhar uma estratégia europeia de colaboração.

Os Encontros de Ciência são eventos realizados em Lisboa desde 2016 que contam com a participação da comunidade científica portuguesa e europeia para a discussão de temas que englobam diferentes disciplinas científicas.

“Do ponto de vista dos encontros de ciência temos desde 2017 um caso interessante que é o facto de termos vários países convidados que no fundo permitem criar ali laços muito estreitos e convidar figuras não só da ciência como mesmo do campo da política, que também acabam por ser momentos cruciais no sentido de fomentar essa a diplomacia científica”, conta.

O objetivo deste projeto passa assim por recolher a partir destes estudos de caso a informação necessária para definir uma estratégia de diplomacia científica para os estados membros da União Europeia.

A ideia é que a UE possa definir um caminho que a leve a agir como uma entidade única no panorama científico internacional.


Published 3 August 2020

‘Qual a Estratégia Europeia para a Diplomacia Científica?

Learn more about Paula Urze and the Science Diplomats work package.

Read the original article on 90 Segundos de Ciência’s website.